terça-feira, agosto 29, 2017

AUGUST 29, 1966. FIFTY ONE YEARS AGO!

Nesse ponto das suas carreiras, os Beatles já haviam decidido a não fazer mais shows ao vivo. Várias más situações tinham ocorrido, como uma fã se atirar nas caixas de som e arrancar um chapéu da cabeça de John, gente pisoteada, e até um pouso forçado em Portland em 1965, quando uma das hélices do quadrimotor pegou fogo durante a chegada no aeroporto (essa mesma aeronave viria a cair dois anos depois, matando parte daquela tripulação).

John disse que, durante esse fato, sentiu que ia morrer como Buddy Holly, que perdera a vida na queda de um avião em 1959. Mas John, sempre John, ao perceber que estava seguro, após o avião aterrissar numa piscina de espuma e deslizar por mais de um quilômetro e parar, colocou as mãos em concha na boca e anunciou para os outros passageiros, loucos para saírem dali: " - Calma! Calma todo mundo!! Tá tudo bem, todo mundo, tudo bem! Vamos descer: Beatles, mulheres e crianças primeiro!".

Ademais, aconteceram shows em que eles não conseguiam sequer ouvir uns aos outros. Determinado fim de um deles Ringo disse: "- Puxa, eu não ouvia nada quando tocava A Taste Of Honey!", no que Paul respondeu: "- Ué, mas eu não cantei essa música hoje!".

Realmente, as performances ao vivo poderiam ter parado bem ao término de 1965, quando eles concordaram que precisavam se dedicar mais à feitura das músicas, trabalhar mais em estúdio, inovar, pois sentiam que poderiam "ficar para trás" naquela turbulência que chocoalhava o cenário cultural da época. O fim tão esperado, no entanto, veio no dia 29 de agosto de 1966 no Candlestick Park, São Francisco, de 9:27 à 10:00 da noite, em frente a 25.000 pessoas.

O espetáculo foi gravado por Tony Barrow, funcionário da NEMS, à insistência de Paul, que percebia ser aquele momento o fim de uma era.

Depois de nove anos e mais de 1400 concertos, os Beatles tinham dado o último espetáculo ao vivo deles, finalizando com Long Tall Sally. Listen!

sexta-feira, julho 28, 2017

YOU HID THE LIGHT OF DAY

I Don't Want To See You Again é uma das várias músicas que os Beatles deram para outros intérpretes lançar. 

Composta por Paul McCartney, e creditada a Lennon/McCartney, ela foi gravada por Peter and Gordon em 1964 como single

A canção alcançou o número 16 no Billboard Hot 100

Curiosidade: Peter Asher, um dos componentes da dupla, é irmão de Jane Asher, com quem Paul namorava na época. 

Ouça a canção, apresentada pelo próprio Paul! Yeah!

 
Check this out on Chirbit

terça-feira, maio 30, 2017

OH, BOY!

Como se sabe, a canção A Day in the Life do álbum Sgt. Pepper's Lonely Heart Club Band, é uma junção de letras de John (1a. parte) e Paul (2a. parte). 

Creio que a melodia seja só de John, se bem que é impossível afirmar que Paul não tenha participado. Enfim. 

Este take magnífico de hoje, traz a canção ainda em fase de burilamento, com apenas a primeira parte de John. 

Ouve-se, também, a contagem de tempo feita pelo eterno roadie Mal Evans, no local onde, num futuro próximo, foi inserida a parte da orquestra, orientada para tocar a esmo tentando alcançar as notas mais altas em cada instrumento.

Um "Hummmm" coletivo finaliza a canção e que seria substituído por um tom de Mi maior, tocado simultaneamente por Mal Evans, John Lennon, Paul McCartney e Ringo Starr em três pianos diferentes, que foi triplicada através de "overdub", criando um efeito de apoteose. Genialidade. Ouça!


 
Check this out on Chirbit

sexta-feira, maio 26, 2017

GIVE US SOMETHING, JOHN!

O Álbum Let it Be, décimo terceiro e último disco dos Beatles, foi gravado em janeiro de 1969, porém só foi lançado em maio de 1970.

Das suas gravações pincei essa tomada onde ouvimos John se arriscando, sem muito entusiasmo é bem verdade, nos vocais de Something de George, que seria lançada em single (primeiro single dos Beatles contendo uma música de George no lado A - no lado B figura Come Together) e depois apareceria no álbum Abbey Road.

Como não era todo dia que podíamos ouvir John Lennon cantando, ou cantarolando Something, vamos ouvir atentamente! Cool! Listen!


Check this out on Chirbit

terça-feira, maio 02, 2017

SEVEN AFTER 1963

O post de hoje tem um chamado outfake, ou seja, é um outtake mexido, um remixfake, ou uma tomada falsa porque foi mexida... Ah, whatever!

One After 909 é uma canção composta por Lennon/McCartney bem no início da parceria. Entretanto ela só foi gravada em 5 de março de 1963 (mesmo dia dos primeiros takes de From Me To You e Thank You Girl), porém não lançada. Ela ganharia uma versão oficial em 1969 na composição do Álbum Let it Be, que, como se sabe, foi ganhar as ruas somente em maio de 1970.

O que você vai ouvir é a gravação de 1963, porém com os vocais (sensacionais!) de John e Paul, além do baixo, trazidos para o canal central. O restante dos instrumentos mantém suas posições da gravação original em stereo. Play it loud!

One After 909 (remix)

Check this out on Chirbit

sexta-feira, abril 28, 2017

PEOPLE

Hoje o blog separou um ensaio do reggae How Many People do álbum Flowers in the Dirt de Paul, lançado em 1989.

Essa canção foi dedicada à memória do ambientalista Chico Mendes, brasileiro e defensor da floresta amazônica, brutalmente assassinado. One, two... One, two, three!

domingo, abril 16, 2017

CALL ALL THE MINSTRELS FROM THE ANCIENT SHRINE

Off the Ground é o primeiro álbum de Paul nos anos 90. Ele foi lançado no dia 1º de fevereiro de 1993 no REINO UNIDO e no dia 9 de fevereiro nos USA.

O blog separou para hoje um alternate take de uma canção deste álbum, a bela C'Mon People. Espero que você curta. Ok, Paul!

quinta-feira, março 16, 2017

I'M FEELING BLUE AND LONELY

Eu li no excelente livro A História Por Trás de Todas As Canções dos Beatles, do Steve Turner, que apesar de What You're Doing contar uma história bastante convencional de um garoto que é enrolado por sua garota, a letra contém algumas rimas criativas em doing e blue an, running e fun in.

A parte mais memorável do arranjo são os Beatles gritando a primeira palavra de cada verso, e Paul completando as frases. É, possivelmente, uma das duas músicas que Paul começou quando estava no La Fayette Motor Inn, em Atlantic City, em 31 de agosto de 1964. 

Tim Riley, autor de um livro sobre os Beatles intitulado Tell Me Why, elogia a faixa por sua engenhosidade pop, dizendo que o acréscimo do piano à guitarra solo e o fade-out sugerem um amor pelos detalhes que eles desenvolveriam de maneira mais plena depois: "Os Beatles faziam muitas alterações dentro dos estúdios nas texturas e no clima das músicas. A essa altura, essas mudanças se consolidam não mais como um truque, mas como um traço estilístico deles". 

What You're Doing era outra canção escrita por Paul (com contribuições de John) especificamente para Beatles For Sale. A gravação é bastante esmerada, ela começou em setembro de 1964 e seguiu até o fim de outubro, quando a faixa tinha sido completamente refeita. 

O veredicto de Paul foi que a gravação acabou melhor do que a canção. E agora você vai ouvir o take 11 de What You're Doing. Enjoy!