sexta-feira, janeiro 31, 2014

ROCK IN JAPAN

Os Beatles foram a primeira banda de rock a tocar no Nippon Budokan Hall, em 1966, o que gerou protestos de nacionalistas japoneses, já que o ginásio é considerado um templo sagrado das artes marciais, e seria um desrespeito o seu uso para um concerto de rock.

Na entrevista coletiva deu para notar o clima tenso sobre o assunto, na qual John argumentou dizendo que só estavam tocando ali por que foram convidados, e que não via desrespeito algum nisso. E (sempre John!), ainda deu uma cutucadinha dizendo que, pessoalmente, preferia um concerto de rock a assistir alguém lutando com outro.

Ok! Então o dia era 30 de junho de 1966. Local: Budokan, Japão. A música: Rock and Roll Music (Chuck Berry), hit do álbum Beatles For Sale. A banda: The Beatles! Enjoy!

Rock And Roll Music (live Budokan 66)

segunda-feira, janeiro 27, 2014

56º GRAMMY AWARD! PAUL AND RINGO: QUEENIE EYE!

E desmentindo vários veículos de comunicação que informaram que Paul e Ringo não tocariam juntos na entrega da premiação do 56º Grammy Award, eles tocaram juntos sim! 

Depois de 2010, quando McCartney fez uma aparição surpresa num show de Ringo, quanto este completava 70 anos de idade os dois - e banda - executaram a canção Queenie Eye, do novo álbum de Paul, o New

E além dos Beatles terem recebido um Grammy, Paul McCartney recebeu mais três! Saiba mais sobre as premiações no meu outro blog, o Beatlebox

Veja agora os dois remanescentes dos Beatles tocando juntos ontem. Queenie Eye! Yeah!

sábado, janeiro 25, 2014

GRAMMY TOMORROW AND COME BACK TO 1973!

O Grammy deste ano irá homenagear os Beatles! Paul McCartney e Ringo Starr estarão lá para receber um prêmio especial! Pra lá de merecido!

Paul e Ringo se apresentarão neste que será o 56º Grammy Awards, no dia 26 de janeiro, amanhã, domingo, em Los Angeles (EUA). Eles subirão ao palco do Nokia Theatre para receber o Recording Academy Lifetime Achievement. O prêmio é uma homenagem pelo conjunto da obra dos Beatles, a maior banda de todos os tempos! Yeah!

Porém, segundo o jornal ZERO HORA, contrariando as expectativas, os beatles Paul McCartney e Ringo Starr não vão tocar juntos na cerimônia de entrega dos prêmios Grammy. Eles vão se apresentar separadamente durante o evento, segundo divulgou Neil Portnow, presidente da Academia Nacional de Gravação, Artes e Ciência, entidade que organiza o evento. Entretanto, eles vão se reunir em outro palco, durante a gravação de um especial sobre os Beatles que ocorrerá na noite seguinte e irá ao ar em 9 de fevereiro, no canal americano CBS.O especial The Night that Changed America (A noite que mudou a América) vai comemorar os 50 anos da primeira aparição dos Beatles na TV americana. O programa de TV terá vários tributos, entre eles uma apresentação de McCartney e Starr juntos, além de shows da dupla Eurythmics, Maroon 5, Alicia Keys, John Legend, John Mayer e Keith Urban. 

No 56º Grammy, além de Paul e Ringo receberem a distinção Recording Academy Lifetime Achievement, em homenagem ao conjunto da obra dos Beatles, Paul McCartney ainda concorre na categoria de melhor canção de rock com a música Cut me Some Slack, feita em parceria com os ex-Nirvana Dave Grohl e Krist Noveselic.A premiação será transmitida no Brasil pelo canal pago TNT, às 23h.

E num clima tão bacana que sempre envolve os Beatles, o blog volta em 1973, quando Ringo Starr lançou o álbum Ringo, seu maior sucesso comercial. Foi a única vez em que os quatro beatles estiveram em um mesmo disco após a separação da banda.

Embora os quatro beatles não tivessem participado de uma mesma música, o fato ajudou muito as vendas do disco. Nele há a participação de Billy Preston, Marc Bolan, Harry Nilsson, Klaus Voormann, Nicky Hopkins, entre outros.

Foi um álbum de muito sucesso. A canção Photograph (lançada em single em 1973) que atingiu o primeiro lugar nos Estados Unidos entrou na track list. Photograph contou com a participação de George Harrison, que compôs a música em parceria com Ringo. George participou ainda de You and Me (Babe) e junto com John em I'm the Greatest (esta última escrita por John). Paul McCartney participou de You're Sixteen e Six O'Clock (esta última escrita por Paul). Ringo atingiu o segundo lugar nos Estados Unidos e sétimo na Inglaterra.

O post de hoje contém a canção Six O'Clock, feita por Paul e dada a Ringo para figurar no álbum. A gravação é um remix do take 1. Paul, Linda and Ringo!

Six O'Clock (remix take 1)

sábado, janeiro 18, 2014

LOST

As raízes da canção Long Lost John ainda são desconhecidas. Supõe-se que seja de origem afro-americana, com base na canção do menestrel Old John Booker. 

A letra, que aparece em inúmeras variações, remonta a um incidente na prisão de Bowling Green, quando o preso John Dean foi selecionado para ser o "coelho" num treinamento para cães de caça. No entanto, Dean escapou dos cães e fugiu da prisão, para o delírio dos outros presos. 

Esta história de WC Handy pegou e foi publicada uma versão escrita da então Lost John em 1920. A melodia, no entanto, já era conhecia há décadas antes de se espalhar em circulação e por transmissão oral com esta letra. A partir daí, ela foi se modificando em outra variações, em letra e melodia, especialmente entre trabalhadores e prisioneiros, como uma canção de trabalho afro-americana e se tornando muito popular. 

E John Lennon fez sua versão, que foi lançada no seu Anthology em 2 de novembro de 1998, portanto, bem depois da sua morte. A caixa box é composta de quatro discos representando épocas da vida de John, chamadas de: Ascot; New York City; The Lost Weekend e Dakota, com gravações de demos, outtakes, ensaios e takes alternativos de 1969 a 1980. 

Posteriormente à gravação de Long Lost John por John Lennon (que aconteceu durante as sessões do seu primeiro álbum em 1970), ele incluiu um pedacinho dela no final da canção I'm Losing You, no seu último álbum, o Double Fantasy, em 1980. Ouça agora o trabalho de John com a canção Long Lost John! Cool!

terça-feira, janeiro 14, 2014

I HOPE YOU'RE HAVING FUN

Band on the Run é um álbum dos Wings, lançado em 1973. É tido como o melhor trabalho de Paul e o de maior sucesso, desde a separação dos Beatles. Foi o disco mais vendido de 1974.

Em 2001, ele entrou na lista dos 100 Melhores Álbuns Britânicos De Todos os Tempos da revista Q Magazine, figurando na 75ª posição. E em 2003, na Lista dos 500 Melhores Álbuns de Sempre da Revista Rolling Stone, figurando na 418ª posição.

Após o seu lançamento, as músicas Jet e Band on the Run atingiram a parada de sucessos. O álbum atingiu o primeiro lugar nos Estados Unidos e ganhou o disco de platina triplo. Em 1975, recebeu o Grammy por melhor performance de vocal pop de um grupo.

Em 1993, a edição remasterizada foi lançada com duas músicas bônus: Helen Wheels e Country Dreamer. Em 1999, uma edição comemorativa dos 25 anos de Band on the Run foi lançada. A edição contou com dois cds, um com as músicas anteriormente lançadas e outro com diálogos e algumas versões das músicas do álbum.

E hoje você vai ouvir uma gravação dos ensaios de Band on the Run, canção que dá título ao álbum. Ok, Paul!

Band on the Run (rehearsal basic track)

domingo, janeiro 12, 2014

LET YOUR HAIR HANG ALL AROUND ME

O blog separou para hoje uma acoustic demo da canção Let it Down, de George, lançada no seu primeiro álbum após a separação dos Beatles em 1970, o All Thing Must Pass.

George havia ensaiado essa canção ainda na época dos Beatles e em breve vamos postá-la aqui.

E agora ouça a gravação da canção, oriunda das All Thing Must Pass Sessions. Ok, George!

Let it Down (acoustic demo)

sexta-feira, janeiro 10, 2014

GOOD EVENING AND WELCOME TO SLAGGERS

You Know My Name (Look Up The Number) é uma canção dos Beatles composta por John, porém  creditda à dupla Lennon-McCartney. Ela foi lançada no lado B do single Let It Be / You Know My Name (Look Up The Number) em 6 de março de 1970, com a duração de 4:19. Gravada em 1967, durante as Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band Sessions, ela só seria lançada neste single, 3 anos depois.

Nessa época os Beatles estavam fazendo muito experimentalismo com um bom número de canções e técnicas de gravação. Paul disse na biografia Many Years From Now, de Barry Miles: "- John veio uma noite com essa canção que era basicamente um mantra, 'você sabe meu nome, procure o número.'. Eu nunca percebi o que ele quis dizer com aquilo, poderia ter alguma presença de Yoko, talvez. Era a idéia original de John e era toda a letra. Ele trouxe originalmente e ficamos uns 15 minutos pensando na estrutura, enquanto ele ficava meio fora do ar, e então nós dissemos, '- O que iremos fazer com isso então?'. E ele disse: '- Vamos fazendo, igual a um mantra.'. Então eu disse: '- Beleza, vamos fazer isso.'".

Na verdade a canção foi inspirada em um slogan que ficava em uma lista telefônica na casa de Paul, como explicou John em entrevista para a revista Playboy em 1980: "- Eu estava esperando Paul em sua casa, e eu vi a lista telefônica em cima do piano com a frase 'Você sabe meu nome, procure o número.'. Era igual a um slogan e eu logo mudei. Era para ser quatro tipos de som, e os acordes mudariam em instantes, mas nunca se desenvolveu, então fizemos palhaçada com ela.".

A estrutura de You Know My Name (Look Up The Number) consiste em cinco partes separadas. A primeira, mais convencional, traz o título da canção cantada por John e Paul, com o fundo de piano.

A parte dois, foi mais tarde editada por John, que repetia um vocal de apoio estilo Ska, parte esta que, foi restaurada em 1996 para o Anthology 2. Essa versão do Anthology 2 conta com 5:43.

A parte três era a sessão da boate, com John dizendo: "- Boa noite e bem vindo ao Slaggers. Apresentando Dennis O’Bell!".

O’Bell era um artista fictício interpretado por Paul. O nome era do produtor cinematográfico Dennis O’Dell, que trabalhou em Os Reis do Iê, Iê, Iê (A Hard Day's Night) e com John em Como Ganhei a Guerra (How I Won The War).

O'Dell mais tarde produziu o filme Magical Mystery Tour e se tornou o chefe da Apple Films. Após o lançamento da canção, ele recebeu muitos telefonemas de fãs dos Beatles levando ao pé da letra o convite da canção e alguns diziam, "- Eu sei o seu nome e agora tenho o seu número!".

A parte quatro, gravada como a última, (já que uma parte cinco foi adicionada em 1969 para o lançamento do single), era uma parte cômica ao estilo Monty Python, com sons de relógio cuco, gaita, bongos, piano, vozes incrivelmente engraçadas e outros efeitos da coleção Abbey Road.

A parte final era outro piano, estilo jazz, com trechos de vibrafone e vocais incompreensíveis. John está hilário! Traz também a participação de Brian Jones, dos Rolling Stones, que veio visitá-los na sessão e acabou fazendo um solo de saxofone.

A canção ficou intocável até 30 de abril de 1969, quando John e Paul voltaram a trabalhar nela para o lançamento, com a ajuda de Mal Evans e sem a participação de George e Ringo.

Em 1988, Paul, inesperadamente disse que esta era sua canção favorita dos Beatles, no livro The Complete Beatles Recording Sessions de Mark Lewisohn: "- As pessoas estão descobrindo os lados-B dos singles dos Beatles. Estão descobrindo faixas como You Know My Name (Look Up The Number), provavelmente minha canção favorita por ser tão insana.".

Os Beatles começaram gravando 14 takes em 17 de maio de 1967, com os instrumentos principais. Em 7 de junho voltaram e adicionaram um bom número de overdubs, o que tornou uma canção de 20 minutos. A instrumentação ainda trazia flautas e tamborim.

Na madrugada para o dia 8 de junho foi gravado mais alguns takes e o solo de saxofone feito por Brian Jones. Paul comenta sua participação na autobiografia Many Years From Now, de Barry Miles: “- Ele chegou no estúdio com um grande casaco afegão e estava constantemente tenso, inseguro, por estar numa sessão dos Beatles. Ele estava nervoso a ponto de tremer, acendendo cigarro atrás de cigarro. Eu gostava muito de Brian. Eu achei que seria uma ótima ideia trazê-lo talvez com uma guitarra e fazer ele tocar alguma levada, mas para nossa surpresa ele trouxe um saxofone. Ele abriu o case e começou a aquecer tocando um pouco. Ele era um saxofonista tão ruim, que eu pensei ‘- Cacete! Teremos apenas uma palhinha.’”.

A canção foi editada em 9 de junho de 1967 em versão mono. E em 30 de abril de 1969, foi feita uma reedição em estéreo, adicionando mais vocais e alguns efeitos. Alguns dos efeitos incluíam o som do assistente Mal Evans, cavando pedras com uma pá, além de vozes bizarras e palmas.

John reduziu o tempo de 6:08 para 4:09 e a canção quase foi lançada como Lado A do novo single da Plastic Ono Band. Ele queria essa com What's The New Mary Jane no lado B. Porém, mesmo após ter impresso selos e ser autorizado pela Apple Records, o restante da banda vetou o lançamento.

Três meses depois ela foi lançada como Lado B de Let It Be. A canção What's the New Mary Jane não foi oficialmente lançada até 1996 no Anthology 3, embora antes tenha aparecido em bootlegs. Clique aqui para ouvi-la. Foi a última canção inédita lançada pelos Beatles, (até 1995-1996, com Free As a Bird, Real Love e outras).

A primeira versão de You Know My Name em CD foi em 1988, na coletânea, Past Masters, Volume Two, com 4:19, igual ao single. Nas versões americanas, a canção veio erroneamente com o título: You Know My Name (Look Up My Number).

Que tal ouvir uma versão diferente das lançadas, com um tempo de 6:11? Listen and enjoy!

You Know My Name (Look Up The Number) (remix)

quarta-feira, janeiro 08, 2014

OUR LIFE TOGETHER

A canção de John Lennon (Just Like) Starting Over foi lançada inicialmente no formato single em 09 de outubro de 1980, no mesmo dia em que ele completou 40 anos, tendo no lado B a música de Yoko, Kiss Kiss Kiss.

(Just Like) Starting Over está também no álbum Double Fantasy, que chegou às lojas no dia 17 de novembro de 1980, 21 dias antes do seu assassinato.

Segue abaixo uma demo da canção, gravada no início de 1980 no apartamento de John, no Dakota. Listen!

(Just Like) Starting Over (home)

segunda-feira, janeiro 06, 2014

YOU'RE MY KIND OF GIRL

The Beatles Bootleg Recordings 1963 é uma coletânea de 59 gravações dos Beatles lançada em 17 de dezembro de 2013, exclusivamente através do iTunes Store

A compilação foi lançada mundialmente a fim de evitar que gravações feitas pelos Beatles em 1963 entrassem no domínio público na Europa, devido à leis de direitos autorais revisados. 

E a primeira postagem de 2014 traz, desta coletânea, a canção de John, I'm In Love! Listen!