domingo, dezembro 29, 2013

HEAVEN COULDN'T WAIT...

Gravada no outono de 1977, Paul fez esta canção para ser o tema do filme "Heaven Can Wait (O Céu Pode Esperar)", dirigido e estrelado por Warren Beatty, com Julie Christie e James Mason em 1978, mas a música escolhida foi a de Dave Grusin.

Mais tarde, em 1979, pode ser ouvida no começo do filme do Ramones "Rock & Roll High School", apesar de não constar no disco da trilha sonora do filme.

Ouça agora Did We Meet Somewhere Before?, uma música de Paul que na verdade acabou sendo esnobada... Listen!

Did We Meet Somewhere Before? (unreleased)

sexta-feira, dezembro 20, 2013

MY LOVE, GOODBYE

Paul McCartney compôs a canção Goodbye em 1969 e a deu para a jovem cantora Mary Hopkin gravar, que o fez em 28 de março daquele ano. 

Goodbye, na voz de Hopkin, chegou ao segundo lugar nas paradas britânicas, perdendo apenas para a canção Get Back, dos Beatles. É ruim, hein? 

Ela nunca foi lançada oficialmente, nem pelos Beatles (ela está registrada na parceria Lennon/McCartney) e nem pelo próprio Paul na sua carreira solo. E o Beatles Outtakes traz hoje essa bela canção pra você, primeiramente com Mary Hopkin e depois com Paul McCartney! Listen! 


Mary Hopkin - Goodbye (Lennon/McCartney)
Paul McCartney - Goodbye (unreleased)

sábado, dezembro 14, 2013

LOOK OUT!

Em março de 2005, uma famosa revista britânica sobre música, a Q magazine, nomeou Helter Skelter a número 5 na lista das 100 melhores canções de guitarra.

Paul certa vez ouviu que o conjunto The Who tinha feito uma canção mais alta, mais suja e barulhenta de todos os tempos, lançada num single de 1967 e chamada I Can See For Miles. Paul então foi ouvi-la e notou que ela não era tão barulhenta assim. Daí, compôs Helter Skelter, tipo como um troco ao The Who e tentando mostrar o que é verdadeiramente uma canção muito alta, suja e barulhenta.

Helter Skelter é o nome de um brinquedo britânico muito popular, que consiste em um tobogã em formato de espiral, porém pode significar também confusão, algazarra, desorganização. A canção de Paul, lançada em 1968 no Álbum Branco, é considerada uma canção precursora do que iria se transformar no hard rock / heavy metal dos anos 1970.

Charles Manson, dizia que a música Helter Skelter fazia profecias de uma apocalíptica guerra racial.

No projeto The Beatles Anthology Paul disse: "- Manson nos interpretou como ‘os quatro cavaleiros do Apocalipse.’ Eu ainda não entendo qual foi a jogada; é sobre a Bíblia, Revelação – Eu não li então eu não sei. Mas ele interpretou a coisa toda. Nós éramos os cavaleiros, Helter Skelter era a mensagem, e ele achou que podia sair e matar todos por aí.".

Entre os dias 9 de agosto e 10 de agosto de 1969, a "Família Manson" cometeu duas chacinas em Hollywood e escreveu nas paredes "Helter Skelter" com o sangue das vítimas. Quatro membros dela invadiram a casa da atriz Sharon Tate, então com 26 anos e esposa do cineasta Roman Polanski, com o único objetivo de matar quem lá estivesse. Sharon Tate, o produtor Wojtek Frykowski, Abigail Folger - herdeira de uma conhecida companhia do ramo do café - e o cabeleireiro Jay Sebring, que estavam na casa, foram amarrados e depois esfaqueados. Durante o julgamento de seus crimes, em novembro de 1970, Manson explicou sua interpretação de "Helter Skelter" na corte: "- Helter Skelter significa confusão. Literalmente. Não significa Guerra com ninguém. Não significa que eles irão matar outras pessoas. Apenas significa o que significa. Helter Skelter é confusão. Confusão está vindo rápido. Se você não vê que a confusão está vindo rápido, chame do que quiser. Não é minha conspiração, não é minha música. Eu escuto o que relato. Ela diz, ‘Apareça!’ ela diz, ‘Mate!’ Porque me culpar? Eu não escrevi a música. Eu não fui a pessoa que projetou isso na consciência das pessoas.".

John disse em entrevista à revista Rolling Stone em 1970: "- Costumávamos tirar sarro disso ou daquilo, de uma maneira não ofensiva, do que um intelectual via na gente ou um símbolo da geração jovem veria algo nisso…". E sobre a canção: "… Mas eu não sei o que ‘Helter Skelter’ significava, pra mim era só barulho.".

Curta agora o take 2 de Helter Skelter Yeah!

terça-feira, novembro 26, 2013

FOR YOU

A Love For You é uma canção de Paul das Ram Sessions, de 1971. Ela não configurou no track list do álbum Ram, lançado em 28 de maio de 1971, e até hoje não foi lançada oficialmente.

É interessante um bom rock como esse não ser aproveitado por Paul até hoje, pois mesmo no relançamento de Ram, em 1993, as canções que entraram como bônus foram Oh Woman, Oh Why e Another Day (que foi o primeiro single de Paul). Listen!

sábado, novembro 23, 2013

BE THE ONLY ONE

Things We Said Today é uma canção de Paul atribuída à dupla Lennon / McCartney, escrita para fazer parte da trilha sonora do filme A Hard Day's Night. Ela foi lançada como lado B do single que trouxe A Hard Day's Night no lado A no REINO UNIDO em 10 de julho e em 13 de julho de 1964 nos EUA.

Paul escreveu a canção durante um cruzeiro pelo Caribe a bordo do iate Happy Days em maio de 1964. Things We Said Today foi inspirada no relacionamento com a sua então namorada Jane Asher e dizia da dificuldade de terem mais tempo juntos, devido a vida agitada e cheia de compromissos dos dois, pois Jane era atriz de teatro e vivia também em constantes viagens para apresentações.

Ouça agora um remix da canção. Cool!

Things We Said Today (remix)

quinta-feira, novembro 14, 2013

SHOW ME

Teatro Pine Knob, Michigan, Estados Unidos. 30 de maio de 1997. Ringo e sua All Starr Band estão no palco. Como sempre, rodeado de outros astros, Ringo trouxe desta vez Peter Frampton que cantou seu sucesso Show Me the Way

Show Me the Way é uma canção escrita por Peter Frampton que foi originalmente lançado em 1975 no seu álbum Frampton e também como um single, mas ela veio a ganhar grande popularidade quando foi lançada também no seu álbum de 1976 ao vivo, o Frampton Comes Alive!

A canção foi uma primeiras de Frampton a utilizar do efeito talk box, que se tornaria um de seus sons exclusivos. 

Show Me the Way chegou ao número 6 no Billboard Hot 100, tornando-se o maior sucesso de Frampton, até I'm in You, que apareceu em 1977. Frampton and Ringo! Yeah!

sexta-feira, outubro 25, 2013

ALL THIS TIME MY THOUGHTS RETURN TO YOU

I Live For You é uma cativante canção de George gravada à época do álbum triplo All Things Must Pass, 1970. 

Ela não foi lançada neste álbum porque George não conseguiu gostar de nenhum take, apesar do excelente trabalho na pedal steel guitar de Pete Drake. 

George voltou para a música, em 2000, enquanto supervisionava a reedição do 30 º aniversário de seu aclamado álbum triplo de 1970. 

Então ele resolveu manter o seu vocal, a bateria e a pedal steel guitar de Drake (em homenagem ao guitarrista que havia morrido em 1988), incluindo novas partes de violão acústico e baixo, enquanto seu filho, Dhani Harrison , adicionou o piano elétrico Fender Rhodes. 

No encarte da nova edição do álbum, George Harrison afirma: " -Nós brincávamos com a faixa de bateria e espero que tenha ficado melhor!". 

Sorry George, mas eu ainda prefiro a versão do início de 1970, trabalhada pelo engenheiro de som da Abbey Road John Barrett, que vamos ouvir agora. One, two, three, four!

I Live For You (John Barret's tapes) 

quarta-feira, outubro 16, 2013

FIGHT

Após o lançamento do álbum New de Paul McCartney (dia 13 na Austrália, dia 14 no Reino Unido e dia 15 nos USA), as críticas e as impressões pululam na internet. 

O blog Beatles Outtakes simplesmente adorou o álbum por completo (não poderia ser diferente!), pois havia muito tempo que um trabalho novo de Paul não nos impressionava de cara, do início ao fim! 

E a edição japonesa contou com uma canção extra, a Struggle, que você vai ouvir agora! Paul! 

Paul McCartney - Struggle (japanese edition only)

sexta-feira, outubro 11, 2013

TIMES SQUARE - THURSDAY OCTOBER 10, 2013

O beatle Paul McCartney surpreendeu Nova York na quinta-feira, ontem, dia 10/10/13, com um pequeno show gratuito na Times Square, dias antes de lançar seu primeiro álbum de inéditas em seis anos, New.

McCartney, de 71, anunciou o show pela manhã em sua conta no Twitter

"Venham para a Times Square, tudo vai acontecer lá!", disse Sir Paul, pouco antes do show, feito de dentro de um caminhão, com uma das laterais aberta, a partir do meio-dia (horário local). 

Na quarta-feira, Paul já havia feito uma apresentação surpresa para alunos e professores da Escola de Artes Frank Sinatra, em Astoria, no Queens (nordeste de Nova York). O beatle tocou treze músicas e, depois, respondeu a perguntas dos estudantes. O show no Queens ocorreu no dia do aniversário de John Lennon, companheiro de Paul McCartney nos Beatles, assassinado em Nova York, em 1980. Em homenagem a Lennon, Paul interpretou Being for the Benefit of Mr. Kite!, do álbum Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band, de 1967. 

O lançamento mundial de New será na próxima segunda-feira, 14, em Londres. No ano passado, o beatle gravou Kisses on the Bottom, um disco "jazzy", com temas dos anos 1920, 1930 e 1940.

Então, você vai ouvir no vídeo abaixo: Save Us, New, Everybody Out There e Queenie EyePaul!

quarta-feira, outubro 09, 2013

73! HAPPY BIRTHDAY, JOHN!

Que falta você faz, John! 

Uma voz que sempre incomodou os hipócritas, os tiranos, os usurpadores da felicidade alheia e os malditos egoístas (como você dizia e depois exclamava: bloody hell!). 

Uma voz contra o racismo, contra a intolerância, contra a violência à mulher, contra a opressão sobre os humildes e os desmandos dos poderosos. 

Ainda tenho uma pulga na orelha sobre se você não foi tirado de nós por outras razões senão por aquele ato esdrúxulo de uma ameba descartável. 73! Happy birthday! Onde quer que você esteja! 

Segue Paul McCartney cantando a música Here Today, que ele fez para John, retirada do show secreto em Los Angeles, realizado na AMOEBA Record Store em junho de 2007.

Ringo estava na plateia e no meio da canção Paul engasga de emoção. Watch!

terça-feira, outubro 08, 2013

YOU CAN TELL HIM I'M GONE, BOY

As gravações do álbum Let it Be (inicialmente chamado de Get Back) teve situações das mais diversas: frio intenso nos estúdios Twickenham, horário terrível trabalhar as canções (8 da matina!) e, o pior de tudo, muita briga entre eles... 

Porém, havia momentos de descontração e curtição, como nesse dia em que John alegremente cantou uma canção de Sonny Terry & Brownie McGhee chamada Take This Hammer. Era janeiro de 1969. Listen!


Take This Hammer
Terry / McGhee 

Take this hammer, waoh, carry to the captain, waoh 
Take this hammer, waoh, carry to the captain, waoh 
Take this hammer, waoh, carry to the captain, waoh 
Tell him I'm gone, boy, waoh, you can tell him I'm gone, waoh 
If he ask you, waoh, was I runnin', waoh If he ask you, waoh, was I runnin', waoh 
If he ask you, waoh, was I runnin', waoh 
You can tell him I were flyin', boy, waoh, you can tell him 
I were flyin', waoh If he ask you, waoh, was I laughin', waoh 
If he ask you, waoh, was I laughin', waoh If he ask you, waoh, was I laughin', waoh 
You can tell him I were cryin', boy, waoh, you can tell him I were cryin', waoh 
Well, I don't want none, waoh, cornbread and molasses, waoh 
Well, I don't want none, waoh, cornbread and molasses, waoh 
Well, I don't want none, waoh, cornbread and molasses, waoh 
It hurt me proud, boy, waoh, it hurt my proud, waoh 
Well, that old captain, waoh, was a mean old captain, waoh 
That old captain, waoh, was a mean old captain, waoh 
That old captain, waoh, was a mean old captain, waoh 
You can tell him I'm gone, boy, waoh, you can tell him I'm gone, waoh 

Link: http://www.vagalume.com.br/sonny-terry-brownie-mcghee/take-this-hammer.html

domingo, setembro 29, 2013

SAVE

O cara, digo, o Sir está com 71 anos, não para quieto, não para de criar e está lançando o novo (êba, NEW!) álbum agora dia 14 de outubro. 

Uma das canções, além da bela New que já foi postada por aqui e que rola sem parar, é a Save Us. Um rockaço sensacional que não aceita você ficar quieto, mesmo que seja parado porém com o cérebro em ebulição. 

Só não se espante com o público mais frio do que nariz de cachorro. Por isso é que Paul não consegue ficar mais longe do Brasil, pois aqui a plateia curte, vibra e dança! Save us! Yeah!

quarta-feira, setembro 25, 2013

EVERYBODY PUT THEIR FOOT DOWN

I've Got a Feeling é uma genuína canção Lennon & McCartney!

Ela é o resultado da junção de duas músicas inacabadas: I've Got a Feeling de Paul e Everbody Had a Hard Year de John. 

O riff de guitarra foi tirado de Watching Rainbows, outra canção inacabada de John e que também já rolou por aqui. Depois, digite Watching Rainbows ali acima à esquerda, ache o post e a ouça também, vale a pena!

Ok! E agora você vai curtir um outtake de I've Got a Feeling, oriundo das Get Back Sessions no início de 1969 e que foi lançada no Projeto Anthology 3, no disco 2. Listen!

sábado, setembro 21, 2013

LOVE YOU LIKE NO OTHER BABY

I Wanna Be Your Man é uma canção de Paul e John, cantada por Ringo, que foi lançada no dia 22 de novembro de 1963 no seu segundo álbum britânico, o With The Beatles.

Esta canção também foi dada aos Rolling Stones que a lançaram em single antes mesmo de aparecer no álbum dos Beatles, em 1° de novembro de 1963.

Segue abaixo a canção interpretada por Ringo no dia 29 de agosto de 1966, no último concerto ao vivo dos Beatles em São Francisco, USA. Can you hear me? What? Ringo!

quarta-feira, setembro 18, 2013

LOVE YOU EVERYDAY GIRL

O álbum Beatles For Sale foi gravado de 14 de agosto a 26 de outubro e lançado em 4 de dezembro de 1964. É um trabalho que contém vários covers, pois os Beatles estavam voltando de várias turnês e apresentações na TV e, pressionados pela gravadora, precisavam lançar um álbum para as festas de fim de ano.

Beatles For Sale foi o quarto disco dos Beatles, em apenas 21 meses desde o primeiro.

E oriundos dele, hoje você vai ouvir os takes 1, 2, 4 e 5 da canção Eight Days a Week, que, segundo consta, foi feita por Paul - com boa ajuda de John - depois de ter tomado um táxi para ir até a casa do seu parceiro e no caminho ele perguntou ao motorista se havia problemas em pegá-lo todos os dias para fazer o mesmo trajeto. O motorista disse que poderia sim, pois trabalhava oito dias por semana... Let's go, boys!

quinta-feira, setembro 12, 2013

quarta-feira, setembro 04, 2013

HERO

Live in New York City é um álbum póstumo de John Lennon. Gravado ao vivo no Madison Square Garden em New York, ele foi preparado sob a supervisão de sua viúva Yoko Ono e lançado em 1986 como o seu segundo álbum ao vivo oficial, sendo o primeiro Live Peace in Toronto de 1969.

O dia era 30 de agosto 1972 e Lennon realizou dois shows, um à tarde e outro à noite, para arrecadar dinheiro para crianças com dificuldades mentais. Quem o acompanhou foi o conjunto Elephant's Memory, com quem ele já gravara anteriormente.

Os concertos beneficentes, anunciados como One to One, também contou com outros artistas, além de Lennon, incluindo Stevie Wonder , Roberta Flack , Melanie Safka e Sha-Na-Na , embora suas performances não estejam incluídas neste álbum.

Live in New York City atingiu o #55 no Reino Unido, e surpreendeu a muitos com o seu apelo nos EUA, onde alcançou a posição #41 e, finalmente, ganhou Disco de Ouro.

Os concertos documentados em Live in New York City são de grande importância, pois trazem Lennon em performances ao vivo durante a sua carreira solo, o que só tinha acontecido no Live Peace in Toronto e que são os últimos, pois ele, como se sabe, se aposentou a partir do último concerto dos Beatles em San Francisco em 1966.

John nunca montou uma excursão durante a sua carreira pós-Beatles. Os concertos também marcaram a última vez que ele se apresentou ao vivo com Yoko Ono e com a banda Elephant's Memory.

E o Beatles Outtakes trouxe uma gravação da canção Working Class Hero, que aconteceu durante um ensaio para o concerto. Listen!

quarta-feira, agosto 28, 2013

NOW WE ARE NEW

E hoje, dia 28 de agosto, Paul lançou seu novo single com a canção New. Ela faz parte do álbum do mesmo nome a ser lançado em outubro. Enjoy!

Paul McCartney - New (single)


NEW
Paul McCartney

4FABeijos pra Roberta Azevedo (Betinha) que enviou a mp3!

DANCING IN A DOUBLE DECK

Há mais de 40 anos, Paul engavetava a canção How Do You Do. Agora, a composição, devidamente tratada, pode ser ouvida pelos fãs na voz de Mallu Magalhães. Mallu gravou a música inédita de Paul como parte do projeto Beatles 69, do selo Discobertas (Microservice).

Organizada por Marcelo Fróes, integrante da Beatles Brasil, a compilação contém canções compostas ou gravadas pelos Beatles no ano de 1969 e conta com a participação de artistas como Capital Inicial, Ultraje a Rigor, Ivan Lins, Milton Nascimento, entre outros, além de Mallu. Corra para adquirir o seu, pois ficou um álbum muito bonito!

E hoje, o blog separou exatamente uma gravação de Paul no ano de 1969 da canção How Do You Do, numa sessão na Abbey Road, que teve a participação do cantor Donovan e de Mary Hopkin. Enjoy!

sábado, agosto 24, 2013

LIKE A DOG


A canção A Hard Day's Night foi feita para compor a trilha sonora do filme de mesmo nome, o primeiro dos Beatles, lançado em 6 de julho de 1964. O filme foi indicado a dois prêmios da academia de cinema, o Oscar.

Já com as filmagens avançadas, a película ainda não tinha nome e nem a canção principal. Certo dia, Ringo estava comentando sobre a correria e excesso de trabalho entre shows e filmagens e disse em uma entrevista com o disc jockey Dave Hull, em 1964: " -Fomos fazer um trabalho, tínhamos trabalhado o dia todo e a noite toda também! Cheguei ainda pensando que era dia, e disse: ' -Foi um dia duro ... e eu olhei em volta e vi que estava escuro, então completei, ... a noite!' Então chegamos a A Hard Day's Night".

John Lennon então compôs rapidamente a canção numa noite, mostrou para Paul, que ajudou a finalizá-la e pronto! E hoje você vai ouvir uma outtake de A Hard Day's Night. Yeah! 

terça-feira, agosto 13, 2013

SAY SOMETHING

Dhani Harrison, filho único de George, e de sua segunda esposa Olívia Trinidad Arias Harrison, nasceu em 1º de agosto de 1978. 

Em 2001 ele ajudou o pai a finalizar seu último álbum, o Brainwashed. Dhani montou sua banda thenewno2 (com letra minúscula mesmo) em 2006, cujo núcleo é Dhani na guitarra / vocais e Oli Hecks na bateria.

E em 1º de fevereiro de 2006 o thenewno2 lançou um EP, chamado Ep001 em  com 4 músicas (1. Say - que é a que você vai ouvir neste post / 2. Out Of Mind / 3. Lord Lord Lord / 4. Truly).

Em 2008, em 17 de fevereiro, lançou o seu primeiro álbum You Are Here (1. So Vain / 2. Back To You / 3. Give You Love / 4. Bluesy / 5. Yomp / 6. Hiding Out / 7. Crazy Tuesday / 8. Idle Lover / 9. Shelter / 10. Wind Up Dead / 11. People / 12. Another John Doe / 13. Jokes On You / 14. You Gotta Wait / 15. Life Off).

Em 27 de setembro de 2011, lançou o Ep002, também com 4 músicas (1. Wide Awake / 2. Mr. President (Feat. The Rza, Crisis & Sire Eyes) / 3. Live a Lie (Feat. Regina Spektor) / 4. Mr. President (pHd One Nation Remix)).

E em 2012, no dia 31 de julho, o álbum thefearofmissingout Deluxe Edition (1. Station / 2. Wide Awake / 3. Timezone / 4. I Won’t Go / 5. Hanging On / 6. Looking Beyond / 7. The Wait Around / 8. Staring Out to Sea / 9. Make It Home / 10. The Number / 11. Staring Out to Sea (feat. Ben Harper) / 12. Timezone (Acoustic) / 13. Make It Home (Big Black Delta Remix) / 14. Make It Home (Mr Hudson Remix)).

O thenewno2 cita como influências Led Zeppelin, Dick Dale, Cream, Hendrix, Massive Attack e, claro, os Beatles

Em agosto de 2010, Dhani Harrison, Ben Harper e Joseph Arthur se uniram para formar a banda Fistful of Mercy. Dhani Harrison casou com namorada de longa data Solveig Karadottir "Sola" em junho de 2012.

Curiosidade: Dhani disse certa vez que tem verdadeiro pavor da música Yellow Submarine (apesar de achar o Revolver o álbum mais completo já produzido até hoje), pois, nos seus primeiros anos na escola, os seus colegas, vira-e-mexe, o seguiam pelo pátio cantando: "- We all live in a yellow submarine, yellow submarine, yellow submarine. We all live in a yellow submarine, yellow submarine, yellow submarine...". Say, Dhani! 

sexta-feira, agosto 09, 2013

SHE SKATED 'ROUND IN SCARBOROUGH

Old Siam, Sir é um rockaço de Paul com seu conjunto Wings e é uma canção do álbum Back To The Egg de 1979. Ele também foi lançado em single no Reino Unido, trazendo outra canção do álbum, a Spin it On, e chegou ao 35º lugar nas paradas. Nos Estados Unidos, também lançado em single, teve no lado B Arrow Through Me.

O vídeo que você vai assistir é de um programa de televisão que promovia o lançamento do álbum Back To The Egg, porém o áudio original foi substituído pela gravação remasterizada. Enjoy!

quinta-feira, agosto 08, 2013

I DON'T KNOW WHY YOU SAY GOODBYE

Hello Goodbye é uma canção escrita por Paul, porém creditada à dupla Lennon / McCartney. Ela foi lançada no formato single em 24 de novembro de 1967 com I Am The Walrus, de John, no lado B. John não gostou muito da ideia, mas concordou que Hello Goodbye era mais comercial.

As gravações ocorreram entre 2 de outubro e 2 de novembro de 1967 e a canção alcançou o primeiro lugar nas paradas dos EUA e REINO UNIDO, onde permaneceu por 7 semanas.

Hoje você vai ouvir o take 1 , só com os instrumentos, de Hello Goodbye, onde a corretíssima bateria de Ringo é bem evidenciada. Pay attention!

domingo, julho 28, 2013

AND NOBODY'S THERE

O post de hoje é sobre uma linda balada de John Lennon, que nunca foi lançada oficialmente. Essa demo de Mirror Mirror (On the Wall), cantada e tocada ao piano no seu apartamento do Dakota em 1977, tem o tom melancólico e uma letra que revela a sua infindável busca pela sua identidade, pelo seu porto seguro, um lugar em que fosse bem recebido e muito amado. Mais ou menos assim: " -Olho para o espelho e não há ninguém ali... Apenas continuo fitando... Como pode ser? Sou eu? Sou eu?".

Mirror Mirror
John Lennon

Sometimes I look in the mirror
There's nobody there
But I just keep on staring and staring
No, can it be, can it be, can it be?

And then I look in the mirror
And nobody's there
But I just keep on staring and staring
And no, is it me, is it me, is it me?

E o blog Beatles Outtakes pesquisou e trouxe Mirror, Mirror trabalhada por um fã. Depois diz se gostou! Listen!

sábado, julho 27, 2013

YOU RIGHT ME WHEN I'M WRONG

Maybe I'm Amazed é uma canção de Paul que foi lançada no seu primeiro álbum solo, McCartney, em 17 de abril de 1970, no meio de uma grande confusão que acontecia sobre a separação dos Beatles.

A canção é dedicada à sua mulher, Linda, que segurou todos os tipos de pontas e depressões de Paul após a separação dos Beatles. E não foi coisa pouca...

Posteriormente ela foi lançada em single, numa gravação feita ao vivo em 1976, já com o seu grupo Wings, chegando a figurar no top ten americano. Let's go, Paul!

quinta-feira, julho 25, 2013

CAVERN! 1961!

Sensacional gravação de Kansas City - Hey, Hey, Hey em 1961 no Cavern Club! Apesar das limitações da época, a gravação não é das piores e o momento histórico é único (Pete Best ainda era o baterista, pois Ringo só entraria na banda em agosto de 1962)! Enjoy!


Beatles at The Cavern Club 1961 por Steve_Branton

Dica da Lizzie Bravo. Valeu, Lizzie!

terça-feira, julho 23, 2013

AND I'VE BEEN WORKIN' LIKE A HEINRICH!


E o blog Beatles Outtakes traz hoje um convidado muito especial. Ele é intérprete, compositor e multi-instrumentista: o beatlefriend Thiago Heinrich, de Porto Alegre - RS!

E assim, sem muitas delongas, vamos ver e ouvir a releitura que ele fez da canção A Hard Day's Night. Yeah, Thiago!

segunda-feira, julho 22, 2013

THIS WAY

Nos anos de 1963 e 1964 a dupla Lennon/McCartney compôs várias canções que foram "dadas" para outros conjuntos (The Songs Lennon and McCartney Gave Away).

Houve momentos em que os primeiros lugares nas paradas eram ocupados pelos Beatles e logo abaixo viam-se outros conjuntos interpretando suas músicas.

A primeira delas  foi I'll Be on My Way. Ela tornou-se o lado B de um single do conjunto J. Kramer With The Dakotas, com outra também composição de Lennon/McCartney no lado A: Do You Want to Know a Secret?. Single que ocupou o segundo lugar das paradas no REINO UNIDO, enquanto From Me To You figurava em primeiro lugar.

John mais tarde diria que I'll Be on My Way é basicamente uma McCartney's early song, pois Paul a escreveu ao estilo Buddy Holly, seu ídolo maior na época.

Ela apareceu oficialmente apenas no disco Live at the BBC, lançado em 30 de novembro de 2004. Ouça então essa gravação que foi ao ar no dia 24 de junho de 1963, durante o programa Side By Side da BBC de Londres. Listen and enjoy!


sábado, julho 20, 2013

SEATTLE YESTERDAY


Ontem, 19 de julho de 2013, Seattle teve uma noite memorável do rock. Depois de vários anos, desde a apresentação dos Beatles lá, Paul McCartney retorna e faz um show de quase três horas de duração, que contou com a participação dos ex-integrantes do Nirvana (Dave Grohl, Krist Novoselic e Pat Smear), pra delírio de mais de quarenta e cinco mil pessoas! 

O show começou por volta das 20h, com a música Eight Days a Week, do disco Beatles For Sale de 1964. Nas canções finais, Paul chamou os ex-integrantes do Nirvana (Dave Grohl, Krist Novoselic e Pat Smear) e tocaram Cut Me Some Slack e Long Tall Sally

Depois do intervalo Paul tocou Yesterday e os ex-integrantes do Nirvana voltaram a tocar até o fim do show. Segue o set list

1. Eight Days A Week; 2. Junior's Farm; 3. All My Loving; 4. Listen To What The Man Said; 5. Let Me Roll It / Foxy Lady; 6. Paperback Writer; 7. My Valentine; 8. Nineteen Hundred And Eighty-Five; 9. The Long And Winding Road; 10. Maybe I'm Amazed; 11. I've Just Seen a Face; 12. We Can Work It Out; 13. Another Day; 14. And I Love Her; 15. Blackbird; 16. Here Today; 17. Your Mother Should Know; 18. Lady Madonna; 19. All Together Now; 20. Lovely Rita; 21. Mrs. Vandebilt; 22. Eleanor Rigby; 23. Being For The Benefit Of Mr. Kite; 24. Something; 25. Ob-La-Di, Ob-La-Da; 26. Band On The Run; 27. Back In The USSR; 28. Let It Be; 29. Live And Let Die 30. Hey Jude; 31. Day Tripper; 32. Cut Me Some Slack (com Dave Grohl, Krist Novoselic e Pat Smear); 33. Long Tall Sally (com Dave Grohl, Krist Novoselic e Pat Smear); 34. Get Back (com Dave Grohl, Krist Novoselic e Pat Smear); 35. Yesterday; 36. Helter Skelter (com Dave Grohl, Krist Novoselic e Pat Smear); 37. Golden Slumbers / Carry That Weight / The End (com Dave Grohl, Krist Novoselic e Pat Smear). 

Vejam agora Long Tall Sally (com Dave Grohl na bateria):

Dave Grohl hesita em cantar com Paul no início, mas, para sua felicidade, Paul o chama com um aceno de cabeça na incrível Helter Skelter:

E a canção Cut Me Some Slack (McCartney/Grohl/Smear/Novoselic):

segunda-feira, julho 15, 2013

BLOWING BALLOONS ON A WINDY DAY

Hoje o Beatles Outtakes traz um clipe muito legal da canção de Paul chamada Once Upon A Long Ago. Geralmente o blog posta canções pelo player DivShare, porém ultimamente ele está apresentando um probleminha de compartilhamento e eu então, para não deixar o blog parado, parti para buscar inéditas no YouTube. Espero que aprovem, pelo menos até o problema ser sanado.

A canção Once Upon A Long Ago foi lançada como seu quadragésimo single no dia 16 de novembro de 1987 e fez parte da compilação do álbum All The Best. A trilha foi produzida por Phil Ramone (morto recentemente) e mixada por George Martin. O violino ficou ao encargo de Nigel Kennedy.

Esse clipe foi gravado em terras europeias no mesmo ano, 1987, e não é muito conhecido. Há também uma versão estendida da canção (que postaremos aqui em breve) que só seria lançada em 1993 no "Paul McCartney Collection" na edição do Álbum Press To Play. O lado B do single britânico trazia "Back on My Feet", escrita por Paul e Elvis Costello e foi incluída também no "Paul McCartney Collection" na edição do álbum Flowers In The Dirt. I hope you enjoy!

domingo, julho 14, 2013

SURPRISE

George lançou o álbum Cloud Nine em 2 de novembro de 1987. Nele há a belíssima Someplace Else, que aparecera anteriormente como uma das músicas do filme Shanghai Surprise, de 1986, produzido por George e estrelado por Madonna e Sean Penn, então casadinhos de novo.

Hoje você vai ouvir a versão do filme, cuja trilha sonora não saiu em CD. No filme George aparece como um cantor de boate interpretando outras canções também.

terça-feira, julho 09, 2013

I NEED LOVING, YOU NEED LOVING TOO

Off The Ground é o primeiro álbum de Paul nos anos 90, seguindo o aclamado Flowers in The Dirt, de 1989. Ele foi lançado no início de 1993 e também obteve muito sucesso.

Ouça hoje uma remix feita especialmente para o rádio da canção-título, Off The Ground. Ok, Paul!

sábado, julho 06, 2013

A LOVE LIKE OURS


And I Love Her é uma canção composta por Paul, creditada a Lennon / McCartney, para sua então namorada Jane Asher. 

Ela foi um dos maiores sucessos dos Beatles, bem como de McCartney, que relembra a canção até os dias atuais em seus shows. John diria mais tarde para a revista Playboy que contribuiu com uma parte, mas Paul observa depois que foi uma parte nada importante da canção. 

Sua gravação se deu originalmente em 1964 para o álbum A Hard Day's Night, terceiro álbum da banda, lançado em 1964, como trilha sonora do filme A Hard Day's Night (intitulado no Brasil como Os Reis do Iê Iê Iê). 

E agora você vai ouvir And I Love Her no seu take 2, que estava bem diferente da versão que seria lançada, inclusive com George na guitarra ao invés do violão. 

Essa versão foi lançada posteriormente no projeto Anthology 1. Listen! 

sexta-feira, junho 28, 2013

ALL DAY LONG I'VE BEEN ALONE


O álbum Wings At The Speed Of Sound é o quinto álbum de Paul com sua banda Wings e foi lançado em 26 de março de 1976. 

Gravado durante os meses de janeiro e fevereiro de 1976, as gravações foram feitas durante uma pausa em uma turnê que o grupo fazia pela Austrália. 

A maioria das músicas foi compostas por Paul, que deu oportunidade para que todos cantassem: Wino Junko (Jimmy McCulloch/Colin Allen) teve o vocal feito pelo guitarrista Jimmy McCulloch; Cook Of The House foi cantada por Linda; Time to Hide (Denny Laine) teve o próprio Denny Laine nos vocais e em Must Do Something About It ouvimos o baterista Joe English cantando. 

E o blog traz na postagem de hoje Must Do Something About It, só que com Paul nos vocais. Listen! 

Wings - Must Do Something About It (Paul on vocals)

terça-feira, junho 18, 2013

TOMORROW WILL BE TOO LATE

No dia do septuagésimo-primeiro aniversário de Paul, vamos ouvir um sensacional cover dele cantando It's Now or Never, que tornou-se em um dos maiores êxitos da carreira de Elvis Presley.

Ela é uma versão do clássico italiano chamado O Sole Mio, composta no fim do século XIX no ano de 1898, sendo que em 1901 foi reconhecida oficialmente.

O Sole Mio foi lançada pela primeira vez por Giuseppe Anselmi em 1907. A primeira versão em língua inglesa para a referida canção ocorreu em 1949, gravada por Tony Martin com o nome de There's no Tomorrow.

A versão de Elvis é datada de 1960, sendo lançada em single com A Mess Of Blues no lado B. Ela atingiu a primeira posição da Billboard em agosto de 1960.

E o blog traz hoje It's Now or Never, cantada por Paul, que era um grande fã de Elvis, assim como todos os Beatles.

É uma gravação da época das Russian Sessions, álbum russo que Paul lançou em 1988 somente na URSS e posteriormente, em 1991, para o mundo todo. It's Now and Never não consta da track list do álbum, sendo lançada como single mais tarde. Happy Birthday Paul!

It's Now or Never (cover)

quinta-feira, junho 06, 2013

MY LOVE IS STRONG NOW

You've Really Got a Hold On Me é um hit de 1962, Top 10, da banda The Miracles, que faz parte do álbum The Fabulous Miracles para o Tamla (Motown) label. Uma das músicas mais conhecidas do grupo, este hit é também uma canção que fora induzida ao Grammy Hall of Fame de 1998.

E, como os Beatles gostavam muito do conjunto The Miracles, eles tocaram essa canção na rádio de Estocolmo, Suécia, em 24 de outubro de 1963 e a lançaram no seu álbum With The Beatles em 22 de novembro de 1963. Enjoy!

You Really Got A Hold On Me (cover - radio)

quinta-feira, maio 09, 2013

PAUL IN GOIÂNIA - SERRA DOURADA STADIUM

“Pegar o carro, parar para tomar um suco de acerola, olhar no relógio e rumar para o estádio Serra Dourada, reduto de vários jogos de futebol aqui de Goiânia é um programa que gosto muito. Só que dessa vez eu estou indo até lá para assistir a um show. Qual? Bom, um show de um dos meus ídolos de infância e da adolescência, junto de John, George e Ringo. É um show do beatle (ex-beatle NON ECKZISTE!) Paul McCartney.” 

Se eu escrevesse o parágrafo acima no ano passado, muitos dos que conhecem meus textos, nos quais crio situações fictícias do personagem Big Charles (o próprio Carlão aqui) em interação com os Beatles não teriam dúvidas de que se tratava de mais uma beatlefic. 

Pois é, pessoal… Não é não! O cara veio na minha cidade antes mesmo de eu ir até a dele! E depois de ter assistido a três de seus shows (um num camarote e dois nas arquibancadas), desta vez animei e me postei ali, bem na sua frente, na Pista Premium. Apesar de já ter completado cinquenta e três aninhos (o corpinho ainda é o mesmo de cinquenta e dois), mais em frequente débito com exercícios físicos, toda aquela dor nas pernas e na velha coluna, devida à espera em pé, simplesmente desapareceu. O cara entrara em cena! 

Com um blazer rosado e o característico sorriso no rosto, Sir Macca logo começou a cantar Eight Days a Week, canção que ele escreveu com ajuda de John Lennon, após ter ouvido do motorista do táxi, no trajeto até a casa do parceiro, reclamar que estava trabalhando oito dias por semana.

Eight Days a Week

Daí, nesse momento, todo tipo de dor física foi dissipada e qualquer preocupação relacionada à rotina exigente do dia-a-dia foi jogada para escanteio, ali mesmo no canto do estádio. Jovial e sempre brincalhão, Paul tascou na primeira fala: “Ôi Goiânia! Ôi goianos! Esta noite vou tentar falar um pouco de português. Espero não falar bobaginha.”. 

Com o fundo multicolorido do telão e com a bela iluminação que destacava Paul e a sua incrível banda, inicialmente tive a impressão de estar diante de uma imensa televisão 3D, porém alguém cochichou no meu ouvido – seria John (homenageado e lembrado mais uma vez em Here Today) dando uma sapeada por aqui e me vendo atônito resolveu me cutucar? -: ‘Ô cabeção, o cara tá aí mesmo, na sua frente!’. E estava mesmo! 

Quando rolava a apresentação de My Valentine, vários insetos da família Tettigoniidae, conhecidos como “esperanças”, apinharam na sua camisa branca, que, sempre bem iluminada – mais do que a roupa do restante da banda – chamava bem mais atenção dos bichinhos alados. Há na cultura popular a crença de que o pouso deste inseto em uma pessoa lhe trará boa sorte. With a Little Lucky, Paul! 

E assim (como numa apresentação durante a turnê de Driving Rain nos EUA, quando a sua equipe levantou cartazes com corações no momento em que ele cantava The Long and Winding Road o deixando engasgado e quase sem poder continuar a canção), o incrível profissionalismo e experiências de palco, fizeram Paul contornar a situação e continuar a canção. Ele só deixou escapar uma risadinha mais forte quando um deles, mais afoito, insistiu e acabou entrando pelo seu colarinho, roçando-lhe a nuca! Seria fêmea? 

Penso que talvez outro artista, mais estrelinha do que profissional, poderia ter parado o show e solicitado uma providência para a retirada ou minimização do inusitado balé dos inócuos insetos. Paul McCartney não! O gênio simplesmente transformou a situação num ponto pitoresco e bem-humorado do show, acariciando um dos renitentes alados (que não saía do seu ombro) e dando-lhe o nome de Harold, o qual foi apresentado como ‘meu novo amiguinho’. 

Paul e Harold, seu novo "amiguinho"

Um festival de balões vermelhos foi erguido durante My Valentine, homenagem ao seu recente casamento com Nancy Shevell – que, diga-se de passagem, deve ter sido uma das responsáveis pelo novo look de Paul: mais antenado, porém elegantemente despojado e solto! Celulares e isqueiros foram acionados e iluminaram o estádio enquanto ele cantava Let it Be. Cartazes (gentilmente cedidos pela musa da beatlemania Claudia Tapety), sobre a segunda-feira sem carne, foram levantados ao som de Maybe I’m Amazed que ele, como sempre, dedica à Linda McCartney, morta em 1998. Nancy, permitindo o gesto, é mesmo uma pessoa que entende das coisas. 

De repente, um ursinho de pelúcia, com uns baitas óculos, presenteado por alguma fã, foi parar no seu incrível piano multicolorido, e ali ficou ouvindo privilegiadamente Your Mother Should Know e Lady Madonna. Depois, balões negros voaram durante Blackbird, enquanto Paul, em cima de um tipo de andaime móvel, levitava sobre a plateia. 

O simpático ursinho ouvindo Your Mother Should Know e Lady Maddona

E o sonho assim foi se desenrolando. As emoções que vivi até hoje foram ali se apresentando também, coladas nos acordes, nas letras e nas melodias, tão vivas e atuais como só uma obra universal pode se revelar: a deliciosa Let me Roll it, o rockaço Hi, Hi, Hi (que fora proibida nos anos setenta por conotações sexuais – o velho puritanismo calhorda, hoje praticamente extinto graças a vários movimentos e também a mensagens como essa de Paul), All Together Now, que nos deu uma pitada do filme Yellow Submarine. Being For The Benefit Of Mr. Kite!, uma música praticamente toda de John Lennon, que a compôs após adquirir um pôster que anunciava a apresentação de um show de circo, cujos efeitos sonoros somente há pouco tempo a permitem ser apresentada ao vivo. Lovely Rita, que Paul fez para guardas de trânsito londrinas, que multavam quem parasse seus carros em locais proibidos. Uma flor vermelha de pelúcia foi lançada no palco por um fã e sobre o piano negro ficou desde Golden Slumbers até o final da apresentação. E, numa das performances mais tocantes, mesmo constante na maioria dos seus shows, Something, quando surgem várias imagens de George Harrison, fazendo com que este que vos escreve mais uma vez se debulhasse em lágrimas. Há momentos, não importa sua repetição, nos quais é impossível segurar o coração.

A flor vermelha sobre o piano

Assim, como que para coroar a certeza de que Paul McCartney, John Lennon, George Harrison e Ringo Starr serão ouvidos enquanto brotarem corações, ao meu lado jovens com menos de vinte anos de idade cantavam cada canção e gritavam como se estivéssemos em 1964. Percebi, emocionado, que naquele momento eles estavam também preenchendo a trilha sonora de suas vidas...

Voltei no tempo, estamos no tempo. Viva a música que exala vida: “Love is old, love is new, love is all, love is you.”. E nos versos de Sir Paul, despedindo-se do Serra Dourada: “And in the end, the love you take, is equal to, the love you make.” 

THANK YOU, SIR!

Golden Slumbers/Carry That Weight/The End (live Goiânia - by Carlos Edu Bernardes)

terça-feira, maio 07, 2013

quarta-feira, maio 01, 2013

I BELIEVE

A postagem de hoje traz duas faixas de Yesterday trabalhadas pelo nosso colega na Beatles Brasil, o Maurício Cruz. Ele mesmo explica:

"Ouvindo o Space Between Us, do Paul, curioso que sou, separei e ouvi canal por canal e separei o canal central, mais interessante, onde percebi que foi mixada a voz do Paul sempre junto com guitarra ou violão, mas sem backs, nem bateria e nem teclado... Muito legal a voz dele em evidência, exceto em Yesterday, onde o canal central tem apenas o violão e mais nada... Nem voz... Lindo.
E no final, o audio do "novo video" acabou virando um CD-Audio que só eu tenho... The Space Within Us - Cut. Eu tenho tudo isso guardado por aqui.

Aqui coloquei somente o canal central dela (o som é mais baixo, é preciso dar uma aumentadinha), apenas com o violão:

Paul McCartney - Yesterday (guitar only - dvd Space Between Us)
E aqui, Yesterday remixada (pode voltar o volume do som para o normal) de DTS 5.1 para stereo-CDA:

Paul McCartney - Yesterday (dvd Space Between Us - remix)

Maluquice? Não acho. Eu prefiro chamar de curiosidade excessiva isso que me leva a fazer essas coisas, que muitas vezes, como neste caso, somente eu vi e ouvi até hoje."

Muito legal, Maurício! Obrigado por disponibilizar as faixas, pois mais malucos adorarão ouví-las!

domingo, abril 28, 2013

ONLY LOVE...

Only Love Remains é uma canção de Paul de 1986, lançada não só no álbum Press to Play como também no formato single, de 7" e 12" (single e maxi single). 

No formato single a canção do lado B é Tough on a Tightrope e no formato maxi single constam as canções Only Love Remains, Only Love Remains (remix), Tough on a Tightrope (remix by Julian Mendolssohn) e Talk More Talk (remix by McCartney e Jon Jacobs)

Porém, o blog separou para hoje uma gravação de Paul cantando Only Love Remains para um especial de televisão, com uma orquestra e também um belo saxofone fazendo companhia. Enjoy! 

Paul McCartney - Only Love Remains (special TV)

quarta-feira, abril 24, 2013

ANY DAY NOW

I Shall Be Released é uma canção de 1967 escrita por Bob Dylan. 

O conjunto The Band a lançou no seu álbum Music From Big Pink, de 1968. 

Dylan gravou duas versões principais: a primeira está no Basement Tapes, gravado em 1967 e lançado em Bootleg Series 1-3 em 1991. Depois, ele a gravou pela segunda vez em 1971, lançando esta nova gravação em Greatest Hits Vol. Bob Dylan II

E você vai ouvir os Beatles tocando a canção durante os ensaios do álbum Get Back (Let it Be) no início do ano de 1969. Ok, boys! 

The Beatles - I Shall Be Released (cover - Get Back Sessions)

domingo, abril 14, 2013

THE BALLAD

The Ballad of John and Yoko é uma canção dos Beatles composta por John, mas com grande contribuição de Paul e, por isso, creditada à dupla Lennon / McCartney. Ela foi gravada há precisamente 44 anos atrás, no dia 14 de abril de 1969!

Foi assim: John e Yoko foram até a casa de Paul, em Cavendish Avenue, para que ele pudesse trabalhar com John nessa canção. Apesar das diferenças quanto aos negócios - que naquela altura estavam fervendo em desavenças - os dois tinham muito respeito um pelo outro, além da parceria Lennon / McCartney sempre ter sido uma excelente fonte de renda para ambos. Após terminarem de escrever a letra, foram até Abbey Road onde gravaram a canção, sem a ajuda dos outros beatles (George estava no exterior e Ringo estava filmando com Peter Sellers). Paul encarregou-se da bateria, do baixo, do piano e da percussão, e John fez a primeira voz e a guitarra.

The Ballad of John and Yoko foi lançada em compacto simples (EP) em 30 de maio de 1969 como lado A, tendo Old Brown Shoe de George Harrison como lado B. 

John tinha pressa e por isso convenceu Paul a ir gravar junto com ele. A gravação foi realizada em uma só sessão (que durou 8 horas e meia). Observação pessoal: para mim Paul "rouba" a canção com o seu baixo, piano, bateria e segunda voz alinhadíssima!

Esta foi a primeira música dos Beatles que não teve mixagem para mono; só foi produzida em estéreo, porém conseguimos uma gravação mixada em mono, não disponível no original inglês, oriunda de um single australiano! Ok, Paul and John!

The Beatles - The Ballad Of John and Yoko (single mono mix)

sábado, abril 13, 2013

PEPPERLAND AGAIN


A canção que o blog separou para hoje foi lançada no disco Return To Pepperland - The Unreleased 1987 Album de Paul.

Ele é considerado como um dos seus mais raros “não-oficiais”, com canções gravadas entre 1984 e 1987.

Ouça agora essa divertida canção! Ok, Paul!

Paul McCartney - Return To Pepperland (unreleased)

quinta-feira, abril 11, 2013

YOU AND I

Two Of Us é uma canção do Álbum Let it Be, gravado em janeiro de 1969, porém lançado em 8 de maio de 1970. Two Of Us foi composta por Paul e atribuída à dupla Lennon/McCartney. Paul diz que ela foi feita para Linda, com quem estava namorando há pouco tempo. Tá certo, viu Paul! Nela existe um verso mais ou menos assim: " - Você e eu temos muitas memórias...". Mas, como poderia haver tantas memórias assim entre um casal tão recente? John sempre achou que essa música foi feita para ele; afinal ele e Paul realmente tinham muitas memórias! O que você acha?

E o blog traz para você hoje um take de 24 de janeiro de 1969, portanto após as brigas de Paul e George e também de John e George.

Ah! As brigas... Em 10 de janeiro, George e John começaram um desentendimento que teria chegado às vias de fato, apesar de negarem o ocorrido (já George Martin declarou ao biógrafo Phillip Norman que a discussão chegou ao nível físico, "com todo mundo se acalmando depois"). O confronto foi um dos poucos que Lindsay-Hogg não capturou para a posteridade, pois, como se sabe, as sessões de gravação do álbum Get Back estavam sendo filmadas. Mas ele filmou George aparentemente saindo dos Beatles. "Estou fora", disse, guardando a guitarra. "Ponham um anúncio e vejam se conseguem chamar alguém. A gente se vê por aí." Paul e Ringo ficaram chocados, mas John não se abateu e começou a tocar uma versão de A Quick One, While He's Away, do The Who, tirando um barato da angústia de George. Naquele mesmo dia, Yoko sentou-se na almofada azul de George, pegou o microfone e começou a cantar um blues ininteligível, enquanto os outros a acompanhavam, sem saber o que fazer, com medo de que John se irritasse e também partisse (curiosamente se trata de uma performance memorável). No mesmo dia, John sugeriu que recrutassem Eric Clapton para substituir George: "A questão é, queremos continuar a banda sem George? Eu com certeza quero."

Em 12 de janeiro, os quatro beatles se reuniram na casa de Ringo para tentar resolver suas diferenças. Mas, quando Yoko insistiu em falar por John, George foi embora de novo. Os Beatles chegaram a um acordo, dias depois, mas George impôs limites rígidos: nada de shows grandes e nada de voltar a trabalhar nos estúdios Twickenham. Yoko, entretanto, continuaria participando de todos os ensaios, ao lado de John. "Yoko só quer ser aceita", disse John. "Ela quer ser uma de nós." Quando Ringo respondeu "Ela não é um beatle, John, e nunca vai ser", John bateu o pé. "Yoko é parte de mim agora. Somos John e Yoko, estamos juntos."

Quase duas semanas depois da saída de George, os Beatles voltaram a tocar, dessa vez em um estúdio improvisado no porão da sede da Apple. George trouxe então o organista Billy Preston, que eles haviam conhecido em Hamburgo (Alemanha) em 1962. Preston participou dos ensaios e sua habilidade no improviso trouxe a dignidade que eles tanto precisavam. John achou a presença de Preston tão revitalizante que quis transformá-lo em membro fixo, um quinto beatle. A resposta de Paul foi taxativa: "Já é ruim o suficiente com quatro".

Bom, vamos ouvir então um take alternativo da canção Two Of UsListen!

The Beatles - Two Of Us (alternate version)

segunda-feira, abril 08, 2013

THE GRAND OLD PAINTER DIED LAST NIGHT

O ator Dustin Hoffman e
Paul (alguns anos depois)
A canção Picasso's Last Words de Paul foi lançada no disco Band On The Run, de 1973.

O curioso sobre ela é que Paul estava de férias na Jamaica quando encontrou o ator Dustin Hoffman que o desafiou a fazer uma canção ali na hora.

Dustin pegou um exemplar da Time Magazine que noticiava a morte do grande pintor Picasso. Leu algumas frases para Paul e perguntou se saia alguma coisa.

Paul puxou o violão e compôs na hora essa bela canção, cujo um dos ensaios você vai ouvir agora. Cool!

Paul McCartney - Picasso's Last Words (rehearsal)

sábado, abril 06, 2013

MY HEART IS LIKE A WHEEL

Let Me Roll It é uma canção de Paul que foi lançada no seu álbum Band On The Run, de 1973 e ela sempre esteve presente nos seus shows ao vivo. 

O blog separou para você duas versões da canção, começando com uma acústica e logo em seguida uma executada no soundcheck ocorrido em 9 de maio de 1973 no Florida Citrus Bowl, em Orlando, Estados Unidos. 

Será que ela continuará na set list dos shows de Paul esse ano aqui no Brasil? (Terá um aqui em Goiânia!Listen! 

Paul McCartney - Let Me Roll It (acoustic + soundcheck Orlando 1993)

sábado, março 30, 2013

FEELING

Paul canta I've Got a Feeling no programa de Zane Lowe, estúdio 01 da BBC de Londres, por ocasião do lançamento do seu disco Chaos And Creation in the Backyard, de 2005.

Ouvindo esta que é uma das canções na qual Paul e John dividem o vocal com vigor e maestria, não há como deixar de sentir uma imensa saudade daquele cara genial de óculos redondos... Ah, como John faz falta... Ok, Paul!

Paul McCartney - I've Got a Feeling (BBC)

quinta-feira, março 28, 2013

HAVE THEY NEVER HEARD OF JEALOUSY?

It's Not True é uma canção de Paul (trazendo Phil Collins na bateria) lançada originalmente como single do álbum Press To Play em 14 de julho de 1986. 

O single no formato 7" traz Press no lado A e It's Not True no lado B. Já no formato 12" temos Press, It's Not True, Hanglide e Press (dub mix)

Posteriormente ela seria anexada ao CD Press To Play, junto de Tough On A Tightrope, Spies Like Us e Once Upon A Long Ago (Long Version)

E o blog, já se preparando para o show da turnê OUT THERE de Paul MCartney aqui em Goiânia no dia 6 de maio de 2013, traz essa bela canção para você. Ok, Paul! 

Paul McCartney - It's Not True (B-side)

domingo, março 24, 2013

LIKE A ROLLING STONE

Can You Do It é uma música creditada por todos os Beatles e salva por Phil Spector dos tapes perdidos das gravações do que seria o álbum Get Back (mais tarde lançado como Let it Be). Na música John cita o refrão de Bob Dylan: “like a rolling stone” e também a CIA, o FBI, a BBC, o bluesman B.B King, a atriz e cantora Doris Day e o jogador de futebol escocês Matt Busby, seguido das palavras dig it, “enterre-o”.

Algumas versões foram gravadas durante as sessões do projeto Get Back / Let It Be, em 22, 24, 26, 27, 28, e 29 de janeiro de 1969 no Apple Studio. A versão de 49 segundos, como nome Dig It, que está no disco original, é uma parte da gravação de 26 de janeiro, advinda de uma sessão de doze minutos que envolvia a canção Twist and Shout. Um segmento dessa sessão aparece no filme Let It Be. Os participantes eram John no vocal, George na guitarra, Paul no piano, Ringo na bateria e Billy Preston no órgão; também participaram, mas não são ouvidos na versão lançada, a filha de seis anos de Linda Eastman (que se tornaria Linda McCartney), Heather.

No começo da sessão John canta a letra principal com intervenção de Harrison, enquanto Heather ficava no vocal de fundo. Como a performance piorou, John estimulou os outros a continuar. Paul adicionou um vocal barítono de "dig it up, dig it up, dig it up" ("desenterre, desenterre, desenterre") e variantes e John começou a repetir "like a rolling stone" ("como um rolling stone", pessoa sem estabelecimento fixo), então vai para a parte das "pessoas famosas", mencionando "o FBI, a CIA, a BBC, B.B. King, Doris Day e Matt Busby".

Ok. Então agora você vai ouvir uma versão de Can You Do It, de 22 de janeiro de 1969, que conta com 4:08 minutos. Listen!

The Beatles - Can You Do It (full version)